SISTEMAS E SOLUÇÕES

Sist. para Aeronaves de Asas Fixas
  - WAD - Wide Area Display
  - A-1 (AMX)
  - AF-1
  - A-29 (EMB-314 Super Tucano)
  - Aviônicos
  - C-95M e P-95M
  - Dash V
  - KC-390
  - F-5M
  - Simulador - Força Aérea - EHUD
  - Sistema de Guiagem por Acompanhamento de Relevo
  - T-27

Sist. para Aeronaves de Asas Rotativas
  - Anvis HUD
  - D-Atena
  - Micro-Atena
  - STAR - Kit de Guiagem a Laser

Aeronaves Remotamente Pilotadas
  - Skylark® I-LEX
  - Hermes® 90
  - Hermes® 450
  - Hermes® 900

Segurança Pública
  - Safe Border
  - Safe City
  - Safe Ports
  - Safe Sites
  - Sigop
  - Lorros
  - Seros
  - Skeye
  - Simulador Segurança Pública

Sistemas para Blindados
  - DVE - Sistema de Condução Noturna
  - Simuladores para o VBPT - Guarani
  - UT30BR

Sistemas de Comunicação
  - MIPR
  - mTMR
  - MSR-3400
  - SDR-7200HH

Sistemas de Navegação
  - EGI

Sistemas para Tropas a Pé
  - Display de Combate
  - JS EYEPIECE
  - PDU
  - RAPTOR
  - S-NAV

Sistemas Optrônicos
  - Aquisição e Designação de Alvo
  - Família ATENA
  - Família Coral
  - GroundEye
  - Coral CR Atris
  - LIZ-M
  - Loris
  - MARS
  - Oasis

Contrato de Suporte Logístico
  - CLS
  - Login DCS

Sistemas Espaciais
  - Computador de Bordo
  - MMM - Microssatélite Multimissão Militar
  - Suprimento de Energia

Treinamento e Simulação
  - Forças Terrestres - Tatical e QG
  - Forças Terrestres - Treinamento ao Vivo
  - Forças Terrestres - Operadores
  - Forças Navais
  - Simulador Segurança Pública
  - Simulador - Força Aérea - EHUD
  - Simuladores para o VBPT - Guarani


 

Notícias
 
17/Jun/2013
Esquadrão de Santa Maria usará vants na Copa das Confederações
 


(Foto: Agência Força Aérea/Divulgação)

Forças Armadas atuarão com aviões não tripulados e tanques

Armamentos de guerra adquiridos recentemente pelas Forças Armadas serão empregados durante a Copa das Confederações, que começa na próxima sexta-feira (15), e possivelmente durante a Copa do Mundo. Entre eles estão veículos aéreos não tripulados (vants) e tanques de artilharia antiaérea, que pertencem a batalhões sediados em Santa Maria, na Região Central do estado.

Segundo o general Manoel Luiz Pafiadache, cerca de 2 mil militares, de todas as forças, serão mobilizados no Rio Grande do Sul entre 12 de junho e 13 de julho do próximo ano. O comandante da 6ª Divisão do Exército foi designado para ser o coordenador de Defesa de Área de Porto Alegre. Ele vai liderar as operações conjuntas de defesa no centro de comando que está sendo montado no Comando Militar do Sul, no centro da capital.

Uma portaria publicada em agosto de 2012 pelo Ministério da Defesa definiu o papel do Exército, Marinha e Aeronáutica nos grandes eventos dos próximos anos. Entre as atribuições dos militares estão o controle dos espaços aéreo, marítimo e vigilância das fronteiras, além de eventuais ações de contingência no caso de desastres ou ataques terroristas.

“Nossa atuação será na defesa do espaço aéreo, marítimo, terrestre e cibernético, além de pontos de infraestrutura estratégicos, como refinarias, usinas hidrelétricas e hospitais, entre outros. Não haverá tropas patrulhando as ruas, mas estaremos de prontidão caso seja necessário”, explica o general Pafiadache.

Para cumprir essas missões, serão usados equipamentos como os vants, mais conhecidos como drones. Em resumo, os vants são aviões sem pilotos, controlados remotamente de um centro de operações no solo (leia mais sobre eles aqui). São usados em missões de vigilância, inteligência e até em ataques, o que não é o caso dos aparelhos operados pela Força Aérea Brasileira (FAB) e também pela PF.

Tanques Gepard serão destinados à batalhão de Santa Maria após grandes eventos (Foto: Centro de Comunicação Social do Exército / Divulgação)

Em fevereiro deste ano, a FAB comprou por R$ 48 milhões duas aeronaves do modelo RQ-450 (Hermes 450), de fabricação israelense. Elas pertencem ao Esquadrão Hórus, da Base Aérea de Santa Maria. Primeira do país a utilizar este tipo de equipamento, a unidade já realizava testes e algumas missões com outros dois aviões idênticos desde 2010.

Com seis metros de comprimento e envergadura das asas de 10 metros, os Hermes 450 voam a uma altura de até 5 mil metros. De lá, transmitem imagens em alta definição para uma central de controle operada em um contêiner, ao lado de uma antena de comunicação. Os dados podem ser retransmitidos para outras centrais de monitoramento.

Os aviões serão usados para vigiar os estádios Mané Garrincha (Brasília) e Maracanã (Rio de Janeiro), na abertura e no encerramento da Copa das Confederações, respectivamente. As aeronaves devem ser usados também em missões durante a Copa do Mundo, mas ainda não há detalhamento sobre o uso.

Segundo os setores de Comunicação Social da Base Área de Santa Maria e da FAB em Brasília, o comandante do Esquadrão Hórus, coronel Donald Gramkow, não pode atender a reportagem por estar em operação. Em recente entrevista ao G1, o brigadeiro Mário Luís da Silva Jordão, diretor do Centro de Operações Aéreas da FAB, explicou como será o uso dos vants na Copa das Confederações.

“Vamos usar os vants para monitorar os estádios com segurança e sem interferir no tráfego aéreo, que terá restrições durante as partidas. A altitude dos vants vai variar, dependendo das especificações do terreno, se há montanhas perto que podem interferir no envio das imagens, e do nosso interesse em ter uma maior qualidade das imagens”, afirmou.
O contingente de militares de Santa Maria destacado para a Copa das Confederações inclui ainda membros do Esquadrão Pantera, que vão operar os Helicópteros H-60L Black Hawk, adquiridos em 2011. As aeronaves vêm sendo utilizadas com frequência nas operações Ágata, de controle de fronteira, e também fizeram um teste de tiro em Florianópolis.

Do Exército, já foram destacados militares da 6ª Bateria de Artilharia Antiaérea de Santa Maria para atuarem na abertura da Copa das Confederações, em Brasília. Eles irão operar os tanques de artilharia antiaérea Gepard, que farão a proteção do espaço aéreo nos arredores do Estádio Mané Garrincha. O mesmo equipamento será usado no encerramento do evento, no Rio de Janeiro.

Segundo o capitão Erickson Baratz, os militares participaram de um treinamento de mais de dois meses na Alemanha, onde os blindados foram fabricados. O Brasil comprou 34 veículos do modelo por cerca de R$ 79 milhões. Dez deles chegaram ao país na metade do mês passado.

Os tanques possuem dois canhões de 35 milímetros, que juntos disparam rajadas de 1,1 mil tiros por minuto. Um moderno sistema de radares é capaz de localizar alvos como aviões e mísseis e atingi-los a cinco quilômetros de distância e cinco quilômetros de altura. Todo esse poderio de fogo, no entanto, não ficará à vista dos torcedores na Copa.
“Para a proteção do espaço aéreo, a gente forma uma defesa circular em volta da área a ser defendida, em pontos estratégicos”, diz Baratz.

A aquisição dos tanques Gepard atende a uma exigência da Fifa para o Brasil sediar a Copa do Mundo. O país não possuía essa tecnologia de defesa antiaérea. Depois de garantirem a segurança dos grandes eventos, algumas unidades serão enviadas para a batalhão de Santa Maria e para outro semelhante no Paraná.

Fonte: G1

 
 
 
menu_inf servicos imprensa fornecedores vagas noticias servicos_downloads clientes servicos_trabalhe_conosco gestao_da_qualidade servicos_trabalhe_conosco ael sistemas